X
Continuarei utilizando essa série como report de minhas experiências no Overwatch, aqui eu registrarei toda a informação que eu conseguir colher dentro do meu tempo de jogo.

Fala galera, tudo certo?

Durante uma de minhas peregrinações pelo Reddit, me deparei com um assunto um tanto quanto delicado mas muito interessante. Nada mais justo do que trazer minha opinião e conversar um pouco mais sobre o assunto com vocês!

É muito comum ver o “meta” utilizado por jogadores profissionais sendo aplicado em matérias por aí, estratégias e até mesmo em nossas partidas diárias, mas até quando esse meta deve ser seguido? Ou melhor, o que é meta?

O que é o meta?

Eu mesmo vivo falando de meta em minhas publicações,  mas caso você tenha caído aqui de paraquedas pode estar se perguntando: o que isso significa afinal?

Meta é uma tendência do que está dando certo no jogo por assim dizer, muitas vezes baseado em campeonatos e times profissionais e que dita “regras” não oficiais de qual é o jeito “correto” de se jogar, mas será que isso funciona pra todo mundo?

O meta deve sempre ser seguido?

Em uma publicação recente, falei sobre o tal Meta 3 Tanks e 3 Suportes, composição que tem como base de sua mecânica a Ana como um dos 3 suportes. A questão é, em minhas experiências até o momento (atualmente jogando no Diamante) dificilmente me deparei com jogadores utilizando a Ana da maneira correta, das muitas vezes que a vi Ana em minha equipe ou na equipe adversária com frequência foi utilizada de maneira extremamente ofensiva, quase que como um DPS.

Outro exemplo é a utilização do Torbjörn, com frequência o vi ser utilizado de maneira eficiente em rankings mais baixos, onde muitas vezes os jogadores não sabem como counterá-lo, e é perceptível a diferença de sua eficiência conforme o ranking muda.

Temos então no mínimo dois exemplos claros do meta não sendo extremamente preciso graças ao nível dos jogadores. Um deles com um herói que está no meta sendo mal utilizado e um herói totalmente fora do meta sendo bem utilizado de acordo com a situação.

Devemos ignorar o meta?

Não! Definitivamente não!

A questão é que quando acompanhamos jogadores profissionais jogando, na maioria das vezes estamos falando de jogadores excepcionais e que conseguem extrair o melhor de cada herói, mas isso não acontece com todos nós. Eu sou do tipo que prefere ter no meu time um jogador que domina um personagem totalmente fora do meta do que um jogador que não faz ideia do que está fazendo com um personagem “Rank S” do meta.

O meta não é uma regra, é um facilitador que deve ser analisado e aplicado quando possível, mas cada jogador tem seu estilo de jogo e o meta não irá definir o resultado da partida.

E você, o que acha disso tudo? Prefere jogar com um personagem que se sente a vontade ou seguir o meta a risca?

Ah lembre-se, assim como o meta minha palavra não é lei! Até a próxima :3

Compartilhe este post!
Share on Facebook14Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Tumblr0Email this to someonePin on Pinterest0